Comburentes e Peróxidos Orgânicos

A meio da tabela das matérias classificadas no livro laranja das Nações Unidas temos os comburentes (5.1) e os peróxidos orgânicos (5.2). Estas substâncias apresentam como perigo principal a possibilidade de alimentar combustões mas, no caso dos peróxidos orgânicos, devido à sua instabilidade, a isto junta-se a possibilidade de reações violentas causadas por calor, fricção, choque ou contacto com impurezas.

Classe 5.1 – Matérias Comburentes

Matérias que, não sendo combustíveis, podem provocar ou favorecer a combustão de outras matérias, geralmente através da libertação de oxigénio.

Muitas destas matérias são altamente reactivas, podendo reagir com outros materiais causando a sua inflamação.

SUBDIVISÃO DA CLASSE 5.1

O – Matérias comburentes sem perigo subsidiário ou objetos contendo essas matérias;

O1 – Líquidas;

O2 – Sólidas;

O3 – Objetos;

OF – Matérias sólidas comburentes, inflamáveis;

OS – Matérias sólidas comburentes, sujeitas a inflamação espontânea;

OW – Matérias sólidas comburentes que, em contacto com a água, libertam gases inflamáveis;

OT – Matérias comburentes, tóxicas;

OT1 – Líquidas;

OT2 – Sólidas;

OC – Matérias comburentes, corrosivas;

OC1 – Líquidas;

OC2 – Sólidas;

OTC – Matérias comburentes tóxicas, corrosivas.

CLASSE 5.1 – INTERVENÇÃO

Continuando a lógica do último artigo, seguindo a doutrina da International Fire Service Training Association (IFSTA) associando-a à versão mais recente do ERG, em caso de incidente com matérias da classe 5.1 e dividindo o cenário em situação com ausência e presença de fogo, pode-se considerar as seguintes opções para os agentes de proteção civil (APC) que atuem como primeiros intervenientes (“first responders“):

Incidente sem presença de fogo: isolar e evacuar 50 metros em todas as direções (o ERG aconselha 50 metros para líquidos e 25 metros para sólidos), eliminar todas as possíveis fontes de ignição e manter material combustível à distância (madeira, papel, etc). Usar água em nevoeiro para direcionar e reduzir vapores; avaliar a aplicação de ventilação mecânica. Criar diques de contenção para prevenir que as matérias se introduzam em esgotos, canais de água, caves e espaços confinados.

Incidente com presença de fogo: isolar e evacuar 800 metros em todas as direções, manter distância de segurança do foco do incêndio, proteger as exposições e deixar as matérias envolvidas serem consumidas pelo fogo.

Classe 5.2 – Peróxidos orgânicos

Matérias orgânicas que contêm uma estrutura bivalente -O-O- e que podem ser consideradas derivados do peróxido de hidrogénio, no qual um ou dois dos átomos de hidrogénio são substituídos por radicais orgânicos.

Os peróxidos orgânicos estão sujeitos a um decomposição exotérmica, a temperaturas normais ou elevadas, produzida sob o efeito do calor, da fricção, do choque ou do contacto com impurezas. A velocidade de decomposição aumenta com a temperatura, varia consoante a composição do peróxido e pode provocar a libertação de gases inflamáveis ou nocivos. Assim, alguns peróxidos, requerem regulação de temperatura durante o transporte.

Transporte de “peróxido de hidrogénio em solução aquosa estabilizado” (UN 2015).

Alguns peróxidos podem sofrer uma decomposição explosiva, sobretudo em situações de confinamento. Esta característica pode ser modificada por adição de diluentes ou pela utilização de embalagens apropriadas.

SUBDIVISÃO DA CLASSE 5.2

P1 – Peróxidos orgânicos que não necessitam de regulação de temperatura;

P2 – Peróxidos orgânicos que necessitam de regulação de temperatura.

CLASSE 5.2 – INTERVENÇÃO

Aplicando o enquadramento IFSTA+ERG agora em caso de incidente com matérias da classe 5.2 e mantendo a divisão do cenário em situação com ausência e presença de fogo, pode-se considerar as seguintes opções para os APC enquanto first responders:

Incidente sem presença de fogo: isolar e evacuar 250 metros em todas as direções, eliminar todas as possíveis fontes de ignição e manter material combustível à distância (madeira, papel, etc).

Incidente com presença de fogo: isolar e evacuar 800 metros em todas as direções, manter distância de segurança do foco do incêndio, proteger as exposições e deixar as matérias envolvidas serem consumidas pelo fogo.

SINALIZAÇÃO DAS CLASSES 5.1 / 5.2 [ADR]

Classe 5.1 – Risco de forte reação, de inflamação e de explosão em caso de contacto com matérias combustíveis ou inflamáveis.

Classe 5.2 – Risco de decomposição exotérmica em caso de temperaturas elevadas, de contacto com outras matérias (ácidos, compostos de metais pesados ou aminas), de fricção ou de choques. Isso pode desencadear emanações de gases ou de vapores nocivos e inflamáveis ou auto-inflamação.


Acidentes envolvendo matérias destas classes requerem um isolamento ASAP (“as soon as possible” – logo que possível) para prevenir possíveis ignições. Esta contenção deve ser mantida e monitorizada até à remoção das matérias envolvidas. É importante recordar que, particularmente na classe 5.1, a contaminação presente nas solas das botas pode ser suficiente para originar uma reacção com a matéria derramada. Em caso de incêndio deve-se procurar proteger exposições e criar condições para que as matérias sejam consumidas pelo fogo em “segurança”.

intervir.pt | tome parte.


One comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s